Dicas,  Saúde

O que toda gestante passa durante o sono

A menstruação atrasou, você se sentiu estranha e o teste… confirmou. Parabéns, mamãe! Nesse instante, a notícia de um novo integrante na família a transborda de emoções e você logo a compartilha com os entes queridos mais próximos. Afinal, uma nova vida está a caminho e a sua vida – definitivamente – irá mudar. Inclusive, bem antes do que você esperava.

Tudo tem início com aquele cansaço clássico do primeiro trimestre. A elevação dos níveis do hormônio progesterona no seu organismo deixa você sonolenta e faz com que a vontade de dar um cochilo até no meio do expediente do trabalho se torne extremamente tentadora. Até que, certo dia, sem nenhum aviso, no momento em que você vai para a cama, esse relaxamento é suspenso por enjoos e ansiedade.

Os meses correm o calendário e sua barriga passa a reduzir o leque de posições para dormir e o desejo de visitar o banheiro a qualquer momento começa a dificultar o descanso. Isso tudo, sem contar que, conforme a gestação progride, a aproximação do parto desperta arrepios e incontáveis dúvidas a cada vez que você pensa nele. Quem diria que a gravidez também daria pesadelos, né?  

Diante de um turbilhão de emoções e sensações, você – mesmo cansada – ainda se alterna entre assistir cenas de uma série qualquer que passa na televisão, conferir as redes sociais, observar as horas mudando no relógio e troca os carneirinhos por contar a quantidade de itens do enxoval do seu bebê. Sim, a insônia resolveu ser sua fiel companheira. Aliás, sua e de cerca de 80% das gestantes ao redor do globo – com os típicos distúrbios do sono. 

E não basta você lidar com interrupções e quedas no tempo de descanso no período noturno, nem com a perda da qualidade do sono e possíveis casos de apneia ou sonambulismo. Ainda é preciso ouvir a famigerada frase: “aproveita para dormir agora enquanto pode, pois depois já era”. Apesar da boa intenção, ouvir esse conselho faz você contar mentalmente até dez. Até porque você entende que dormir bem é primordial para a saúde.

Afinal, a qualidade do sono tem como consequência o fortalecimento do sistema imunológico, a consolidação da memória e a manutenção do bem-estar físico e mental. Durante a gestação, ela é ainda mais importante. Uma noite revigorante dá energia para as atividades do próximo dia e contribui para evitar o trabalho de parto prematuro – tendo em vista que reduz a ansiedade e a liberação de adrenalina. 

Agora, o que fazer para dormir bem, com direito às tradicionais oito horas de sono – ou quase? Confira algumas dicas para contornar os principais obstáculos que toda mulher enfrenta na gestação e, claro… boa noite!    

ENJOO E AZIA – Por vezes um dos sinais que alertam você para a descoberta da gravidez, os enjoos e azias atingem cerca de 60% das mulheres – principalmente, no primeiro trimestre. O enjoo tem como culpado o aumento de certos hormônios – como o HCG.  Enquanto que a azia acontece por culpa do refluxo gástrico causado por (advinha?) hormônios, que cresce conforme o útero aumenta e comprime o estômago. 

Para amenizar esses desconfortos e dormir com tranquilidade, dê uma pausa na utilização de produtos com cheiros fortes e opte por comer pequenas porções a cada três horas – de preferência, carboidratos leves. Evite a ingestão de líquidos durante as refeições, bem como o consumo de bebidas quentes ou com gás. A propósito, não deite logo após se alimentar. Com o tempo, você vai perceber que isso pode agitar o bebê na barriga – e, claro, tirar seu sono.

FALTA DE POSIÇÃO – A barriga cresce, cresce e cresce e você fica cada vez mais sem uma posição adequada para pegar no sono. A situação é ainda mais desconfortável se você é adepta de descansar de bruços. Infelizmente, você terá que se acostumar a abandonar a posição de barriga para baixo durante nove meses. O modo mais indicado é deitar de lado e virada para a esquerda. Dessa forma, o fluxo sanguíneo não é comprometido ao comprimir a região.

Uma estratégia é apostar nos travesseiros para abrandar o incomodo, que chega com tudo no último trimestre de gestação. Espalhe esses itens pela cama, entre os joelhos e a lombar. Seu par não irá se incomodar se você ocupar mais espaço em seu colchão favorito. Inclusive, existem modelos especiais de travesseiros para a gestante. Na reta final da gravidez, eleve a cabeça e o tronco levemente – assim você irá melhorar sua respiração, que ficou mais ofegante devido ao aumento do volume abdominal impedir a expansão do pulmão. 

XIXI E MAIS XIXI – Ir ao banheiro constantemente passou a ser uma rotina na sua vida. Até porque o xixi a toda hora é resultado do aumento de líquido no corpo, do desempenho mais eficiente dos rins e do aumento do volume de sangue no corpo feminino – algo em torno de 50%. E a história é clássica: a barriga cresce, o útero começa a comprimir tudo lá dentro – principalmente, sua bexiga –, e as idas ao banheiro se multiplicam.

Para garantir um sono mais tranquilo, certifique-se de reduzir o consumo de líquidos perto da hora de deitar. A propósito, evite bebidas com cafeína. Além de apresentarem ação diurética, elas são estimulantes e precisam ser saboreadas com prudência. Outra possibilidade é tentar abaixar o corpo em direção à barriga quando for fazer xixi – dessa forma, a bexiga se esvazia ao máximo.

ANSIEDADE E MEDOS – Até ontem, você se considerava uma mulher calma e ponderada, certo? Só que bastou a confirmação da gravidez para você vestir na pele a ansiedade. É normal ter incontáveis dúvidas e inseguranças em relação à gestação, parto e pós-parto. Logo, aproveite as consultas ao obstetra para sanar essas questões. Cursos e rodas de conversas com gestantes também são boas alternativas.

Não há solução instantânea para a ansiedade, mas você pode apostar em recursos tranquilizadores. Cuide da higiene do seu sono. Evite assistir TV ou mexer no celular antes de ir para a cama, deixe o quarto mais escuro, aperte o play em músicas relaxantes, tome um chá calmante, um banho quente e seja otimista: tudo vai dar certo no final. Ah, massagens, ioga e acupuntura também podem te auxiliar.

Fontes

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) – https://www.febrasgo.org.br  

Portal Drauzio Varella – https://drauziovarella.uol.com.br

Revista Neurociências | Associação Neuro-Sono – http://www.revistaneurociencias.com.br/

Hospital Israelita Albert Einstein – https://www.einstein.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *